Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Trombofilia: quais são os sintomas?

Trombofilia: quais são os sintomas?

Por Dra. Rosane Rodrigues 27/01/2021

A infertilidade feminina é provocada por diferentes condições. Disfunções nos ovários e a consequente ausência de ovulação estão entre as causas principais. Doenças que afetam os órgãos reprodutores também dificultam a gravidez, assim como outros quadros clínicos, como a trombofilia.

Endometriose, miomas, pólipos e patologias infecciosas são exemplos de problemas que prejudicam as funções do sistema reprodutor feminino. Já a trombofilia, além de oferecer riscos à mãe e ao feto, também pode ter outras consequências graves para a saúde, devido ao entupimento dos vasos sanguíneos.

Continue a leitura e descubra o que é trombofilia e quais são as causas, sintomas e tratamentos dos estados trombofílicos.

A trombofilia e suas causas

A trombofilia é um estado de propensão à formação de trombos. O quadro em si não é uma doença, mas trata-se de uma condição que torna o indivíduo mais suscetível ao desenvolvimento de trombose — essa sim é caracterizada como uma patologia que pode ter consequências severas.

O termo trombofilia se refere a um conjunto de anomalias que produzem um estado de hipercoagulabilidade, isto é, o organismo apresenta o risco de coagulação sanguínea excessiva. Os fatores de risco para o surgimento de trombose podem ser hereditários, adquiridos ou mistos.

A predisposição genética como fator isolado não é suficiente para ocasionar um evento trombótico clínico. Mas as condições hereditárias aumentam os riscos da doença, quando associadas a outros estímulos trombogênicos. Inclusive o avanço da idade e hábitos de vida nocivos, como tabagismo, sedentarismo e sobrepeso são pontos que influenciam negativamente.

Em resumo, as trombofilias hereditárias estão associadas a aspectos como: deficiência de antitrombina e proteínas C e S; resistência à proteína C ativada; mutação do fator V Leiden; mutação da protrombina; níveis plasmáticos elevados de fatores da coagulação, entre outras alterações genéticas.

As trombofilias adquiridas, por sua vez, são influenciadas pelos seguintes fatores de risco:

  • imobilização prolongada;
  • traumas e cirurgias;
  • quadros de câncer;
  • uso de contraceptivos orais;
  • medicamentos hormonais;
  • síndrome do anticorpo antifosfolipídeo;
  • doenças mieloproliferativas;
  • gravidez e puerpério.

Os sintomas da trombofilia

A coagulação sanguínea é uma função natural do corpo e ocorre para controlar a perda de sangue diante de ferimentos internos ou externos. Entretanto, quando o organismo tem ações coagulantes de forma excessiva, há um risco aumentado de obstrução nas veias e artérias, podendo levar a graves consequências.

Durante a gestação, a suscetibilidade para a formação de trombos é ainda maior em mulheres diagnosticadas com trombofilia. A propensão elevada à trombose é provocada pelas condições fisiológicas da gravidez.

No período gestacional, há um aumento nos fatores de coagulação para evitar perdas sanguíneas que prejudiquem o desenvolvimento fetal, bem como hemorragias na hora do parto.

Isso não significa que todas as gestantes com trombofilia chegarão a apresentar trombose. Mas é fundamental fazer um acompanhamento médico rigoroso e observar os indícios da doença para intervir a tempo.

A trombofilia em si é assintomática, mas podem surgir alguns sinais que levam à suspeita diagnóstica. Os problemas desencadeados pelo estado de hipercoagulabilidade incluem trombose venosa profunda nos membros inferiores, embolia pulmonar e complicações obstétricas.

Os sintomas mais presentes nos casos de trombose venosa são os seguintes:

  • dor e inchaço nas pernas;
  • vermelhidão ou tom de pele azulado no local dos trombos;
  • sensação de peso e calor nos membros afetados;
  • veias dilatadas.

Nos eventos de embolia pulmonar, é preciso ficar atento aos seguintes sinais:

  • tontura e dificuldade para respirar;
  • dor nas costas ou no tórax;
  • tosse insistente, seca ou com sangue.

Em relação à gravidez, a trombofilia pode acarretar várias condições que levam à investigação do quadro, como:

  • infertilidade;
  • abortos recorrentes;
  • baixo crescimento fetal;
  • placenta prévia;
  • pré-eclâmpsia;
  • prematuridade.

As formas de tratamento

Além da hipótese diagnóstica e da investigação clínica, a confirmação do quadro de trombofilia requer análise de amostras do sangue. Exames de imagem também podem ser solicitados para localizar os trombos.

O tratamento é baseado na administração de medicamentos que controlam a coagulação sanguínea e reduzem as chances de trombose. O uso de anticoagulantes na gestação deve ser feito desde as primeiras semanas até o final do puerpério — 40 dias após o parto.

Na reprodução assistida, o rastreio da trombofilia é realizado antes mesmo da gravidez, uma vez que os eventos trombóticos também podem causar falhas na FIV (fertilização in vitro). Isso ocorre porque a obstrução de vasos do útero dificulta a fixação do embrião.

Para aumentar as chances de concepção, os anticoagulantes são administrados em momentos propícios do tratamento de FIV — depois da ovulação ou antes da transferência dos embriões para o útero.

Isso permite que o organismo da futura gestante trabalhe com o sistema hemostático normalizado, para favorecer a implantação do blastocisto e o desenvolvimento do feto.

O acompanhamento com especialistas em medicina reprodutiva é essencial para mulheres com suspeita de trombofilia. Assim, a paciente consegue identificar e tratar o problema antes da gestação, evitando o risco de abortamentos e outras complicações.

Para melhorar ainda mais o seu conhecimento, leia nosso texto institucional sobre trombofilia e mantenha-se bem informado em relação a esse quadro!

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts