Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Qual a relação entre a idade da mulher e a infertilidade?

Qual a relação entre a idade da mulher e a infertilidade?

Por Dra. Rosane Rodrigues 17/02/2021

A fertilidade feminina, assim como a masculina, pode ser prejudicada por vários fatores. Desequilíbrio hormonal e doenças que acometem o aparelho reprodutor estão entre as causas principais da dificuldade de engravidar.

Outro ponto que merece muita atenção é o envelhecimento dos órgãos responsáveis pela reprodução. Isso significa que existe uma linha tênue entre a idade da mulher e infertilidade.

Este post foi elaborado para esclarecer as dúvidas acerca desse assunto. Ao longo da leitura, você entenderá: quais são os aspectos que caracterizam a infertilidade feminina, qual a relação do problema com a idade da mulher e como a medicina pode ajudar a vencer os obstáculos da gestação tardia.

O que caracteriza a infertilidade feminina?

Um quadro de infertilidade é estabelecido diante da dificuldade de engravidar, considerando o período de um ano de tentativas. As limitações podem estar relacionadas tanto à saúde do homem quanto da mulher. Para identificar a fonte do problema, o casal deve realizar uma série de exames e passar por avaliação diagnóstica com um especialista em medicina reprodutiva.

No organismo feminino, os fatores de infertilidade correspondem a distúrbios hormonais, problemas de ovulação, doenças no sistema reprodutor e falhas na implantação do embrião. Outro aspecto importante é o envelhecimento dos órgãos — isso indica que a ligação entre a idade da mulher e infertilidade é um ponto que merece atenção e cuidados extras.

As disfunções ovulatórias representam a principal causa de infertilidade feminina. A ausência de ovulação pode estar associada à baixa reserva ovariana, à síndrome dos ovários policísticos (SOP) e a problemas no funcionamento das glândulas endócrinas.

O sistema endócrino, por sua vez, também tem papel essencial na manutenção da saúde fértil da mulher, devido à produção e controle da liberação hormonal. Progesterona, estrogênio e os hormônios luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH) são as principais substâncias que atuam no ciclo menstrual e preparam o organismo feminino para a gestação.

Outro fator de infertilidade abrange as doenças que afetam os órgãos do sistema reprodutor, como:

Também há chances de falha na implantação, mesmo que a fertilização ocorra. Ou seja, após a união dos gametas e a formação do blastocisto, ainda existe o risco de o futuro feto encontrar um ambiente uterino inóspito.

A ação insuficiente de progesterona, a espessura inadequada do endométrio ou mesmo a morfologia do embrião são algumas causas que impedem a fixação embrionária e a evolução da gravidez.

Existe relação entre a idade da mulher e infertilidade?

Sim! A idade da mulher e a infertilidade são questões diretamente relacionadas. A capacidade fértil tende a diminuir com o passar dos anos, e isso ocorre, sobretudo, em razão da redução na reserva ovariana. Assim como a produção de óvulos sofre um declínio, a qualidade dos gametas também é afetada.

Estudos mostram que no período da primeira menstruação, o organismo feminino abriga até 400 mil folículos ovarianos — estruturas responsáveis pela maturação e liberação dos óvulos. Essa quantidade decai continuamente com o avanço da idade e, na faixa dos 50 anos, a mulher apresenta em torno de mil folículos.

As chances de uma gravidez bem-sucedida reduzem progressivamente. Seja pela dificuldade de ovulação, seja pela baixa qualidade dos óvulos. O envelhecimento do útero também representa queda na fertilidade.

Alterações hormonais e mudanças na irrigação sanguínea da região uterina são fatores que podem interferir na receptividade endometrial e, consequentemente, na implantação embrionária.

Mesmo quando a mulher consegue engravidar em idade avançada, ainda há outros riscos pela frente, como hipertensão, pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, abortamentos, parto prematuro e anomalias cromossômicas fetais.

Importante sublinhar que o limite de idade considerado saudável para uma gestação espontânea é de 35 anos, embora a mulher contemporânea tenha postergado a maternidade para além dessa faixa. O cenário aponta para uma realidade cada vez mais evidente: a gravidez tardia ­— acima dos 40 ou até 50 anos ­— já é um fenômeno da atualidade.

Ao passo que muitas mudanças sociais ocorreram nas últimas décadas, abrindo mais oportunidades para a mulher, além da maternidade e das tarefas domésticas, a medicina reprodutiva também avançou. Nesse sentido, mesmo com mais idade, as gestantes podem realizar exames e fazer tratamentos que permitem identificar precocemente e até evitar doenças congênitas e problemas obstétricos.

Com a reprodução assistida, a mulher pode fazer o tratamento da infertilidade e se tornar mãe depois dos 35 ou 40 anos. Nesse caso, a técnica mais recomendada é a FIV (fertilização in vitro). O procedimento inclui estimulação ovariana, fecundação dos óvulos em laboratório e cultivo do embrião em seus primeiros estágios de desenvolvimento.

Durante a fase de cultivo embrionário, ainda é possível realizar o teste genético pré-implantacional (PGT) para constatar a existência de alterações genéticas. Assim, os embriões saudáveis são selecionados e transferidos para o útero materno.

Outra técnica indicada para mulheres que querem adiar a gravidez é o congelamento de óvulos. Dessa forma, a paciente consegue preservar sua fertilidade e garantir a qualidade dos gametas para uma fertilização futura.

Portanto, a relação entre idade da mulher e infertilidade pode ser melhorada com a reprodução assistida. Mas é válido lembrar que, mesmo com tantos recursos eficazes, a adoção de hábitos preventivos e o acompanhamento médico rigoroso são medidas ainda mais necessárias na gestação tardia.

Para obter outras informações sobre os fatores que dificultam uma gravidez, leia também nosso texto específico sobre infertilidade feminina!

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts