Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
O que é PGT?

O que é PGT?

Por Dra. Rosane Rodrigues 04/06/2020

A fecundação é o processo de união dos materiais genéticos contidos nos gametas feminino e masculino e marca o início do desenvolvimento embrionário. Quando um ou ambos os progenitores têm históricos de doenças genéticas na família, as chances de que o bebê herde tais complicações são maiores quando comparadas a casais sem esse tipo de histórico.

Essas complicações muitas vezes chegam a inviabilizar as gestações, provocando abortamentos de repetição. Por isso, é importante que ocorra uma avaliação do material genético a fim de identificar possíveis doenças genéticas que possam ser transmitidas para o feto.

No contexto da FIV (fertilização in vitro), é possível realizar o teste genético pré-implantacional (PGT).

A FIV é uma técnica avançada e de alta complexidade que permite a realização de uma variedade de técnicas complementares que podem ser importantes para aumentar as chances de uma gestação.

Leia o texto e saiba mais sobre o PGT.

Como é formado o embrião do ponto de vista genético

O primeiro evento que acontece a partir da junção de gametas é a fusão dos cariótipos (ou mapa genético) de ambos os pais, resultando no cariótipo do embrião.

Ou seja, a partir do momento da fecundação, é possível mapear os genes que foram combinados e prever a manifestação tanto de doenças herdadas dos pais, como a fibrose cística, síndrome do X frágil, doença de Huntington, quanto de anormalidades genéticas pós-fecundação, como a supressão ou multiplicação indevida de cromossomos, cujo exemplo mais conhecido é a síndrome de Down.

O PGT

O PGT é o teste genético pré-implantacional, um teste complexo feito em células do embrião que busca identificar possíveis anomalias genéticas, hereditárias ou não. Esse teste é geralmente feito cinco dias após a fecundação. É nessa etapa que o embrião atinge o estágio de blastocisto e possui mais células. No entanto, o teste também pode ser feito em outras etapas do desenvolvimento embrionário, embora os resultados não sejam tão completos.

Esses testes de origem genética são feitos antes que o embrião seja transferido para o útero, a fim de identificar doenças e condições genéticas. Isso permite que casais com alto risco de transmissão de doenças genéticas reduzam riscos de transmissão ao identificar embriões saudáveis para serem implantados.

Esse teste requer que obrigatoriamente seja feito o tratamento de FIV, visto que a análise dos embriões é feita enquanto os embriões estão sendo cultivados em laboratório.

Como é realizado?

Para que esse teste seja feito, é realizada uma biópsia em cada um dos embriões gerados, que consiste em extrair algumas células do embrião, sem que por isso se comprometa o seu desenvolvimento normal.

Após a biópsia, os embriões são colocados novamente na incubadora ou são congelados até que se obtenha o resultado do diagnóstico. A técnica utilizada para análise depende da doença que se quer detectar.

O material da biópsia é então processado e submetido ao estudo genético. Somente a partir do resultado do diagnóstico, a equipe médica pode decidir, conjuntamente com os futuros pais, quais embriões serão implantados.

A detecção de tais doenças permite prevenir sua disseminação. São escolhidos para a implantação os embriões nos quais a doença não foi detectada.

Indicações

O PGT pode ser indicado para:

  • Casos de famílias com histórico de doenças monogênicas e/ou que apresentam sintomas de infertilidade sem razão aparente;
  • Casais consanguíneos, em que se identificaram um alto risco de transmissão de doenças monogênicas durante aconselhamento genético;
  • Idade materna avançada;
  • Histórico clínico de abortamento de repetição;
  • Casos em que haja alterações da meiose dos espermatozoides (oligozoospermia ou mesmo azoospermia);
  • Casos de repetidos fracassos na implantação de embriões das tentativas de FIV, aumentando a precisão da escolha do embrião, e assim otimizando as chances de gravidez.

Quais doenças podem ser evitadas com o PGT?

Entre as diversas doenças que podem ser evitadas com o uso do PGT estão doenças autossômicas recessivas, como atrofia muscular espinal, fibrose cística, β-talassemia, síndrome de Clouston e Osteopetrose; doenças autossômicas dominantes, como síndrome de Huntington, ataxia espinocerebelar, neoplasia múltipla endócrina, câncer de cólon hereditário e esclerose tuberosa; e doenças com hereditariedade ligada ao cromossomo X, como síndrome do X frágil, hemofilia A e distrofia muscular de Duchenne/Becker.

As alterações espontâneas não hereditárias identificadas pelo PGT-A são bastante comuns durante o desenvolvimento do embrião, sendo esta a principal razão pela qual nem todos os embriões se desenvolvem ou implantam no útero, mesmo nos processos de fecundação sem intervenção médico-laboratorial.

Nesse sentido, utilizar o teste genético pré-implantacional (PGT) tem sido uma importante estratégia de seleção embrionária feita nos tratamentos de reprodução humana, permitindo que as mulheres submetidas à técnica de FIV tenham uma gestação mais segura em todos os sentidos.

Avaliar o risco de transmissão de doenças genéticas é uma das possibilidades da FIV por meio do PGT. Essa avaliação é importante para evitar a disseminação dessas doenças. Veja mais informações sobre o PGT.

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts