Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

Endometriose: é possível engravidar com a doença?

Por Dra. Rosane Rodrigues 06/07/2021

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as mulheres durante a fase reprodutiva, podendo resultar em infertilidade. Além disso, por sua complexidade, geralmente demora vários anos para ser diagnosticada, o que dificulta o tratamento e interfere no processo reprodutivo.

Essas características a tornaram estigmatizada e cercada por diversos mitos. Entre os exemplos está o de que há facilidade em identificá-la, o que nem sempre acontece.

Boa parte das mulheres é assintomática, enquanto outras podem manifestar sintomas como cólicas severas, dor durante a relação sexual, inchaço e dor pélvica, que comprometem a qualidade de vida. Entretanto, eles também são comuns a outras patologias femininas, o que contribui para o atraso diagnóstico.

Outro mito frequentemente relatado nos consultórios médicos é o de que mulheres com endometriose não podem ter filhos. Ainda que a doença seja crônica, tem tratamento na maioria dos casos: o controle dos sintomas, a remoção do tecido ectópico e tratamentos de reprodução assistida aumentam as chances de sucesso gestacional.

Continue a leitura e saiba como engravidar com endometriose.

O que é endometriose?

Na endometriose, um tecido semelhante ao endométrio (que reveste a cavidade uterina) cresce em locais ectópicos como os ovários, as tubas uterinas e os ligamentos que sustentam o útero. Nessas regiões interfere no processo de fecundação e causa dificuldades para o desenvolvimento da gravidez.

Porém, também tende a invadir outros locais, incluindo a vagina, o intestino, paredes da bexiga e ureteres.

A endometriose pode interferir na fertilidade desde os estágios iniciais aos mais avançados. No início de desenvolvimento da doença, por exemplo, o tecido anormal secreta substância pró-inflamatórias, as citocinas, que afetam o desenvolvimento dos folículos resultando em falhas na ovulação, ou a qualidade dos óvulos.

Há ainda o risco de o processo inflamatório comprometer a receptividade do endométrio, que abriga e nutre o embrião até a formação da placenta. Nesse caso, resulta em falhas na implantação e abortamento.

Os sintomas, por outro lado, manifestam de acordo com o local de crescimento do tecido anormal. Critério também importante para classificar a endometriose.

Como a endometriose é classificada?

Além do local de crescimento, a quantidade e profundidade do tecido ectópico e o grau de comprometimento dos órgãos, também são critérios importantes para a classificação da endometriose.

A doença é classificada de acordo com o estágio de desenvolvimento em quatro tipos: mínima, estágio I, leve II, moderada III e grave IV. E morfologicamente em três subtipos: peritoneal superficial, ovariana e infiltrativa profunda.

Na peritoneal superficial (estágios I e II), as lesões são pequenas, superficiais, rasas e planas e estão localizadas apenas no peritônio, membrana que recobre a parede abdominal. Já na ovariana (estágio III), a principal característica é a presença de um tipo de cisto com líquido achocolatado, chamado endometrioma.

Na infiltrativa profunda (estágio IV) o tecido já invadiu a região retrocervical (atrás do colo uterino), o septo retovaginal (entre reto e vagina), a vagina, o intestino, as paredes da bexiga e ureteres.

Nos estágios mais avançados, a inflamação pode levar à formação de aderências, inibindo a liberação de óvulos pelos ovários ou causando bloqueios nas tubas uterinas, impedindo a fecundação ou o transporte dos espermatozoides, além de provocarem distorção na anatomia pélvica, dificultando o desenvolvimento da gravidez. Enquanto os endometriomas podem interferir no processo de ovulação.

Quando o tecido cresce no trato urinário, provoca alterações no hábito como vontade frequente e urgente de urinar, ou dificuldade acompanhada de dor e presença de sangue na urina.

Já no intestinal, constipação, sangramento nas fezes, dor ou dificuldade em evacuar e dor anal, estão entre os sintomas, que tendem a ocorrer de forma cíclica durante o período menstrual.

Saiba como engravidar com endometriose

Após o diagnóstico de endometriose a mulher que está tentando engravidar é submetida à cirurgia para a remoção do tecido endometrial anormal, ao mesmo tempo indicada quando há a manifestação de sintomas mais severos, que comprometem a qualidade de vida.

O procedimento é realizado por técnicas minimamente invasivas e as taxas de gravidez natural bem-sucedida são bem significativas depois que o tecido é removido. Se a gravidez não ocorrer, a indicação passa ser o tratamento com a utilização das técnicas de reprodução assistida. As três principais – relação sexual programada (RSP), inseminação artificial (IA) e fertilização in vitro (FIV – aumentam as chances de mulheres com endometriose.

A RSP e a IA são consideradas de baixa complexidade, pois a fecundação ocorre naturalmente nas tubas uterinas. Por isso, são mais indicadas para mulheres com até 35 anos, que tenham endometriose nos estágios iniciais e as tubas uterinas sem nenhum tipo de problema.

O objetivo da RSP é programar o melhor período para intensificar a relação sexual, apontado por exames de ultrassonografia. Assim, os espermatozoides do parceiro devem ser saudáveis.

Já na IA os melhores espermatozoides são secionados por técnicas de preparo seminal e podem ter pequenas alterações na forma e no movimento. Durante o período fértil são depositados diretamente no útero.

De maior complexidade, a FIV possibilita maiores chances quando o tecido endometrial provocou a formação de aderências em estágios mais avançados, resultando em obstruções. Ou se houver presença de endometriomas, uma vez que a fecundação é realizada em laboratório.

Óvulos são selecionados e os espermatozoides igualmente capacitados por técnicas de preparo seminal. Como é possível acompanhar todo o procedimento, podem ter maiores defeitos na forma e movimento, da mesma forma que as tubas uterinas não são importantes, pois depois de o óvulo ser fecundado, os embriões são depositados no útero.

Leia mais sobre endometriose!

0 0 vote
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
O que é espermograma e quando o exame é indicado?

Para que ocorra a fecundação, alguns fatores são considerados importantes, como a quantidade e qualidade […]

Continue lendo
Falência ovariana precoce: o que é e por que ocorre?

A menopausa é o nome dado à última menstruação da vida de uma mulher, acontecimento […]

Continue lendo
Varicocele: o que é?

A gametogênese é o nome do processo de produção dos gametas femininos e masculinos. Diversas […]

Continue lendo
Endometriomas: sintomas

A endometriose — uma das principais causas de infertilidade feminina — atinge uma a cada […]

Continue lendo
O que é reserva ovariana?

A fertilidade da mulher diminui ao longo da vida. Em torno dos 40 anos a capacidade […]

Continue lendo
SOP: veja quais são os tratamentos

Os ovários são importantes órgãos do sistema reprodutor da mulher. São estruturas que contêm milhões […]

Continue lendo
Endometriose: saiba quais são os tipos da doença

É bem possível que você já tenha ouvido falar sobre a endometriose, uma das principais […]

Continue lendo
SOP e gravidez: é possível?

A gravidez depende de um processo complexo, que começa ainda antes do momento em que […]

Continue lendo
Ver todos os posts