Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
É possível escolher o sexo da criança na FIV?

É possível escolher o sexo da criança na FIV?

Por Dra. Rosane Rodrigues 25/02/2021

Desde o surgimento da FIV (fertilização in vitro), na década de 1970, a possibilidade de ter filhos por meio de reprodução assistida se tornou tema de filmes, livros e ganhou status de revolução da vida.

Na técnica, que chegou com ares de ficção científica, óvulos e espermatozoides são fecundados em laboratório e os embriões posteriormente transferidos para o útero.

A FIV está entre os principais avanços da medicina e, atualmente, além de proporcionar o tratamento de infertilidade feminina e masculina, apresenta diferentes soluções, como evitar a transmissão de doenças genéticas para as futuras gerações.

Mesmo sendo reconhecida por sua qualidade revolucionária, ainda provoca polêmicas e dúvidas. Uma das mais comuns é sobre a possibilidade de escolher o sexo do bebê.

Para entender melhor sobre o funcionamento da FIV e esclarecer dúvidas sobre a escolha do sexo, continue a leitura.

Entenda como a FIV é realizada

Considerada a principal técnica de reprodução assistida, a FIV também é a mais complexa. O tratamento é realizado em cinco diferentes etapas e todas elas são fundamentais para o sucesso da gravidez.

Na primeira ocorre a estimulação ovariana e indução da ovulação: medicamentos hormonais estimulam o desenvolvimento e amadurecimento de mais folículos (bolsas em que os óvulos são armazenados), que posteriormente são coletados por punção na segunda etapa, ao mesmo tempo que os espermatozoides são capacitados por técnicas de preparo seminal para que os melhores sejam selecionados.

Na terceira etapa, a fecundação é realizada. Atualmente, na maioria das clínicas de reprodução assistida, a FIV com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoide) é o método mais utilizado.

Incorporada à FIV em 1992, a ICSI proporcionou o tratamento de infertilidade masculina provocada por fatores mais graves. Prevê a injeção do espermatozoide no citoplasma do óvulo, o que aumenta as chances de a fecundação ocorrer.

Na quarta etapa, é realizado o cultivo embrionário. Os embriões permanecem em incubadoras por alguns dias, quando são transferidos na última etapa para o útero materno.

É possível escolher o sexo da criança na FIV?

Tecnicamente é possível, sim, escolher o sexo da criança na FIV com a utilização do teste genético pré-implantacional (PGT), uma das técnicas complementares à FIV.

O PGT é uma ferramenta molecular que utiliza a tecnologia NGS, next generation sequencing ou sequenciamento de nova geração, para realizar a análise. A técnica analisa o sequenciamento de milhões de pequenos fragmentos de DNA. Dessa forma, ao mesmo tempo que possibilita a detecção de distúrbios genéticos, também proporciona a identificação do sexo daquele embrião.

O teste é realizado quando o embrião está na fase de blastocisto, entre o quinto e sexto dias de desenvolvimento, quando as células já estão formadas e divididas por função.

Durante a fecundação é o espermatozoide que define o sexo da criança, pois enquanto os óvulos possuem apenas o cromossomo X, eles podem ter o X ou Y. Assim, se ocorrer o cruzamento XX, o sexo é feminino e XY, masculino.

Os cromossomos são uma estrutura composta de DNA, que contém toda a informação genética da pessoa, como cor dos olhos ou doenças que podem ser transmitidas pelos pais para seus descendentes.

Ainda que o PGT seja extensivo a qualquer pessoa com suspeita, confirmação ou histórico de distúrbios genéticos, independentemente de terem ou não problemas de fertilidade, no Brasil a seleção de sexo pela FIV não é permitida pelas regras do Conselho Federal de Medicina, órgão que regulamenta a reprodução assistida no país.

Quais são as regras para escolha do sexo no Brasil?

As regras nacionais permitem a utilização da FIV com esse objetivo apenas quando existe o risco de algum distúrbio genético relacionado ao sexo. O CFM, assim como órgão de outros países, acredita que a seleção de sexo pela FIV não está isenta de questões éticas ou morais, considerando ainda o fato de que o uso não médico para a seleção de sexo compromete a ética do tratamento.

Além disso, algumas instituições também veem a seleção não médica como discriminadora entre um e outro, da mesma forma que são apontadas questões sociais, como o prejuízo ao equilíbrio natural de homens e mulheres na sociedade.

Por outro lado, o objetivo permite a detecção de diversas doenças, evitando, assim, a transmissão para os filhos.

Entre as que podem ser evitadas a partir da seleção do sexo está a síndrome do X frágil, um distúrbio caracterizado por alterações em parte do cromossomo X, que causa diversos problemas de desenvolvimento, como o comprometimento cognitivo e dificuldades de aprendizagem. É a forma mais comum de deficiência intelectual hereditária em meninos.

Outro exemplo é a hemofilia, problema em que o sangue não coagula normalmente, levando ao sangramento excessivo (hemorragia), interna ou externamente, após a ocorrência de lesões ou danos.

A mutação que causa hemofilia também fica localizada no cromossomo X e, embora as mulheres não desenvolvam a doença, podem ser portadoras, portanto, quando o filho é do sexo masculino, ele pode manifestá-la.

Após a realização do PGT, apenas os embriões saudáveis são transferidos, minimizando, assim, as chances de a transmissão ocorrer.

Entenda mais sobre a FIV. Leia o nosso texto específico sobre o tema.

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts