Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Como faço o acolhimento das tentantes?

Como faço o acolhimento das tentantes?

Por Dra. Rosane Rodrigues 18/06/2020

Ter filhos é o sonho de muitos casais. A chegada de um novo integrante é sinônimo de alegria, não apenas para os pais, mas para toda a família. No entanto, a notícia de uma gravidez pode demorar a chegar, gerando incertezas e inseguranças.

A medicina reprodutiva avançou muito nas últimas décadas, principalmente devido ao avanço da ciência e da tecnologia. Causas de infertilidade graves, como azoospermia e endometriose, podem ser superadas com a fertilização in vitro por ICSI, por exemplo. Mas isso não é suficiente.

Acredito que um tratamento humanizado é um diferencial que não deve ser colocado em segundo plano. O acolhimento e a escuta são fundamentais para os casais que estão passando por um momento vulnerável. As tentantes, mulheres que estão tentando engravidar (seja naturalmente, seja por uma técnica de reprodução assistida), precisam de uma rede de apoio durante esta fase.

Por isso, vou mostrar neste artigo como funciona o acolhimento das tentantes na clínica. No entanto, precisamos entender primeiro o que é infertilidade.

O que é infertilidade?

A infertilidade é um problema de saúde pública, atingindo casais de todas as regiões e classes sociais. Estudos indicam que cerca de 80 milhões de pessoas enfrentam esse problema. Ela deve ser investigada se, após 12 meses de tentativas sem o uso de métodos contraceptivos, não houver gravidez. Caso a mulher tiver idade acima de 35 anos, o prazo diminui para 6 meses.

No passado, o peso da infertilidade era colocado sobre a mulher, que passava por exames e tratamentos às vezes desnecessários. Atualmente, sabemos que a dificuldade em engravidar pode ser causada por fatores femininos, masculinos ou de ambos. Por isso, os dois devem passar por uma investigação médica.

As principais causas de infertilidade feminina estão relacionados a problemas na ovulação ou no ciclo menstrual, danos aos órgãos reprodutivos, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e falhas na implantação do embrião.

Os fatores masculinos de infertilidade estão ligados à queda na qualidade dos espermatozoides decorrente de infecções, doenças, danos nos órgãos do aparelho reprodutor e ao estilo de vida.

Por que o acolhimento é importante?

Mulheres que estão tentando engravidar pela primeira vez ou que passaram por abortos sentem uma grande pressão social. Esse momento de vulnerabilidade pode causar estresse, ansiedade, depressão, conflitos no relacionamento conjugal, entre outras consequências.

O sentimento de culpa também é muito relacionado às mulheres, que se sentem diminuídas por não conseguirem engravidar. Consequentemente, ela pode se isolar socialmente e abalar ainda mais a sua saúde mental, entrando em um círculo vicioso.

Além disso, é comum que casais que não obtiveram sucesso na primeira tentativa com uma técnica de reprodução assistida se sintam frustrados, devido ao alto investimento emocional e financeiro que fizeram anteriormente.

O corpo e a mente estão relacionados, por isso as emoções interferem na nossa saúde e qualidade de vida. O acolhimento é um suporte para o homem e a mulher durante esse período. Ouvir as necessidades emocionais de cada um é uma maneira de reduzir as incertezas e tornar o processo de reprodução assistida o mais individualizado e humano possível.

Como é feito o acolhimento das tentantes?

O fator humano é uma prioridade da clínica, sendo um valor compartilhado entre todos da equipe. Trabalhamos para que as tentantes se sintam confortáveis e seguras durante todo o processo. O acolhimento é feito com as seguintes premissas:

Consultas individualizadas

A consulta não tem duração predefinida e ela acontece de acordo com as necessidades da mulher. Durante a avaliação, apenas são solicitados exames necessários para o caso.

Esse momento também é dedicado para tirar todas as dúvidas do casal. Estar bem orientado sobre o processo é uma maneira de diminuir as inseguranças e o estresse.

Apoio psicológico constante

A tentante recebe apoio psicológico, de acordo com as condições da mulher e do casal. Todo o acolhimento é baseado na atenção humanizada para ajudar na saúde mental e na qualidade de vida durante esse período.

O casal participa de todo o processo

Os parceiros são muito bem-vindos durante o processo, inclusive, a participação deles é fundamental. Durante todo o período de acolhimento, os objetivos da mulher e do casal são levados em consideração. O acolhimento forma um vínculo entre nós. Com isso, o sucesso da gravidez também é uma celebração para mim e para a minha equipe.

Como é a avaliação e indicação das técnicas de reprodução assistida?

A avaliação da infertilidade é totalmente individualizada. Ambos os parceiros são analisados, considerando fatores de risco, idade, sintomas e histórico dos pacientes. Caso seja necessário, exames como o espermograma, avaliação da reserva ovariana e ultrassonografia pélvica são solicitados. Apenas a partir dos resultados obtidos é possível indicar a técnica de reprodução assistida para o casal.

O objetivo da nossa clínica é criar um espaço para que a tentante e o seu parceiro se sintam acolhidos e fortalecidos durante todo o processo de diagnóstico da infertilidade até o final do ciclo de reprodução assistida. A união entre tratamento humanizado, equipe médica especializada e tecnologia é a chave para continuarmos realizando os sonhos dos nossos pacientes.

Se você gostou da maneira como faço o acolhimento das tentantes na clínica, compartilhe esse artigo nas suas redes sociais. Assim, mais pessoas conhecerão o nosso trabalho!

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts