Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Como é feito o cultivo embrionário na FIV?

Como é feito o cultivo embrionário na FIV?

Por Dra. Rosane Rodrigues 26/03/2021

FIV ou fertilização in vitro é a principal técnica de reprodução assistida e a de maior complexidade, pois prevê a fecundação de óvulos e espermatozoides em laboratório, in vitro.

A FIV já proporcionou o nascimento de milhões de crianças saudáveis no mundo todo e é o tratamento mais indicado quando há problemas de infertilidade, principalmente os mais graves.

Atualmente, além dos problemas de fertilidade, é ainda alternativa para que pessoas solteiras e casais homoafetivos possam ter filhos biológicos.

A FIV é realizada em diferentes etapas, sendo o cultivo embrionário uma delas. Continue a leitura e entenda como o cultivo embrionário é feito na FIV.

Conheça as etapas do tratamento por FIV

Cinco etapas compõem o tratamento por FIV: estimulação ovariana e indução da ovulação, punção folicular e coleta do sêmen, fecundação, cultivo embrionário e transferência dos embriões. Veja como cada uma delas funciona:

1. Estimulação ovariana e indução da ovulação

A estimulação ovariana é um procedimento que tem como objetivo estimular o desenvolvimento e amadurecimento de uma quantidade maior de folículos, pois em um ciclo natural apenas um se desenvolve, amadurece e se rompe para liberar o óvulo que ele armazena.

O processo de ruptura e liberação do óvulo é chamado ovulação. É uma das fases do ciclo menstrual e, independentemente de ocorrer a fecundação, se repete todos os meses durante a fase fértil da mulher.

A estimulação ovariana é realizada com medicamento específicos, com posologia específica para cada paciente, dependendo de uma série de fatores.

Exames de ultrassonografia realizados a cada dois ou três dias acompanham o desenvolvimento folicular e indicam o momento mais adequado para induzi-los ao amadurecimento final, também por medicamentos hormonais.

2. Punção folicular e coleta do sêmen

A punção folicular é realizada quando por ultrassonografia detectamos que os folículos estão maduros, perto da ovulação.

Pouco antes da ovulação fazemos a punção folicular com a paciente sob anestesia. Uma guia com uma seringa com agulha é acoplada ao aparelho de ultrassom e o líquido de cada folículo é aspirado para posteriormente o óvulo contido nele ser extraído em laboratório.

O sêmen do parceiro é coletado simultaneamente e as amostras submetidas ao preparo seminal, técnica que utiliza diferentes métodos para capacitar os espermatozoides. Assim, apenas os mais saudáveis (com melhor morfologia e motilidade) são selecionados para fecundação.

3. Fecundação

A fecundação de óvulos e espermatozoides é realizada em laboratório por FIV com ICSI, em que cada espermatozoide é injetado diretamente no óvulo por um micromanipulador de gametas.

A ICSI é o método de fecundação mais novo. A FIV antes era realizada pelo método clássico, em que óvulos e espermatozoides eram colocados em uma placa de cultivo para que fecundassem naturalmente, mas hoje esse método praticamente não é mais realizado.

A FIV com ICSI é hoje a técnica mais utilizada pelas clínicas de reprodução assistida no mundo todo para o processo de fecundação.

4. Cultivo embrionário

Entre os avanços da FIV está o dos meios de cultura, que possibilitou o cultivo embrionário por mais tempo. Com a cultura estendida, como é conhecido o processo, é possível cultivá-los por até seis dias, fase de blastocisto do embrião em que já há a presença de uma estrutura denominada blastocele.

Os embriões são cultivados em meios de cultura com diferentes formulações baseadas nas concentrações e composições do fluido tubário e uterino em relação à mudança na atividade metabólica durante seu desenvolvimento.

O cultivo do embrião até a fase de blastocisto possibilitou o desenvolvimento de técnicas complementares ao tratamento e a solução de diferentes problemas. Entre elas está o teste genético pré-implantacional (PGT), que pode ser realizado em determinados casos.

O PGT analisa as células do embrião, proporcionando a detecção de doenças genéticas e anormalidades cromossômicas. Para isso são utilizadas diferentes técnicas: PGT-M, PGT-A e PGT-SR. O PGT-M identifica os genes de doenças genéticas e PGT-A e o PGT-SR, as anormalidades cromossômicas.

Dessa forma, pode evitar a transmissão de doenças genéticas para as futuras gerações, ao mesmo tempo que pode minimizar a ocorrência de falhas na implantação do embrião e abortamento, que geralmente resultam de anormalidades cromossômicas numéricas – quando há ausência ou presença de mais cromossomos do que o normal –, chamadas aneuploidias.

Com o embrião em blastocisto, é possível, ainda, o congelamento de todos os que se formam em um ciclo para serem transferidos apenas no ciclo seguinte. A técnica é conhecida como freeze-all, importante para mulheres com alteração no ciclo endometrial.

5. Transferência embrionária

Os embriões podem ser transferidos em duas fases de desenvolvimento de acordo com a necessidade de cada paciente: logo no início, no segundo ou terceiro dia (D3), quando começa a divisão celular (clivagem), ou em blastocisto.

A indicação do melhor momento de transferência depende de características do casal, por isso o tratamento é individualizado.

Entenda detalhadamente como a FIV funciona tocando aqui.

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts