Comunicado

Nota conjunta com atualização de posicionamento sobre a COVID-19 e os tratamentos de reprodução assistida

Informações complementares à nota emitida em 21 de março de 2020

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA e a Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA, acompanhando as demais sociedades mundiais e face à presença da pandemia de Covid-19, emitiram comunicado em 17 e 21 de março de 2020. Globalmente, e na América Latina não foi diferente, ciclos iniciados foram completados, decisões de congelamento tomadas, transferências discutidas e, na maioria das vezes, postergadas. Desde o início, entendemos que poderiam haver situações a serem individualizadas, como os casos oncológicos, em que pacientes necessitariam com urgência da preservação de seus gametas previamente a procedimentos cirúrgicos ou eventual quimioterapia que pudesse afetar sua fertilidade futura. Ao mesmo tempo, havia outros casos susceptíveis de individualização.

Passados 30 dias, com novos dados sobre a Covid-19, reconhecendo novos cenários para diferentes países, regiões ou cidades, além da realidade de um período claro de extensão da pandemia, que a infertilidade é definida pela OMS como doença, assim como a própria OMS define o direito de autonomia dos pacientes e:

CONSIDERANDO que, sob a luz de novas evidências científicas, este posicionamento deverá seguir sendo atualizado em momentos sucessivos;

CONSIDERANDO que, segundo a literatura médica, não se identificou até o momento a presença de vírus nos gametas e tratos genitais masculino ou feminino;

CONSIDERANDO que, até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do Covid-19 sobre a gestação inicial;

CONSIDERANDO a preocupação com relação às evidências científicas emergentes quanto à possibilidade de transmissão vertical – isto é, da mãe para o bebê;

CONSIDERANDO que os serviços de reprodução assistida devam seguir as recomendações governamentais, respeitando as particularidades locais;

CONSIDERANDO a observação das medidas de distanciamento social, com cuidados na preservação dos pacientes e equipes, quando da assistência;

CONSIDERANDO as condutas para mitigar a sobrecarga do sistema de saúde local;

CONSIDERANDO que o adiamento dos tratamentos de reprodução assistida abrange determinados casos extremamente sensíveis ao tempo e, portanto, inadiáveis, com risco de condenar pessoas a uma infertilidade irreversível – ou seja, esterilidade; e

CONSIDERANDO o respeito à autonomia do paciente,

RECOMENDAM que ciclos de reprodução assistida possam ser realizados sob juízo do profissional assistente, em decisão compartilhada com os usuários do serviço, de forma personalizada, fundamentados e bem documentados, com precaução e bom-senso, evitando-se transferências embrionárias neste momento.

Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida – SBRA
Red Latinoamericana de Reproducción Asistida – REDLARA


Referências
Blastocisto: o que é?

Blastocisto: o que é?

Por Dra. Rosane Rodrigues 08/11/2021

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas tubas uterinas onde poderá ser fecundado pelo espermatozoide.

Quando a fecundação acontece, o óvulo fecundado forma o zigoto, que representa o primeiro estágio no desenvolvimento de um organismo geneticamente único: contém os cromossomos (genes) dos pais e todos os fatores essenciais para o desenvolvimento, mas eles existem apenas como um conjunto codificado de instruções localizadas nesses genes.

O estágio do zigoto é breve e é seguido pela clivagem do embrião, que ocorre entre o segundo e terceiro dia, quando o zigoto se subdivide em células menores, por um processo conhecido como mitose. Essas células, chamadas blastômeros, são unidades iniciais de construção para o futuro organismo.

Os blastômeros resultantes de várias clivagens de um zigoto se transformam em mórula – mudam sua forma e se juntam uns aos outros para formar uma bola compacta de células, com a aparência de uma amora, da qual o nome origina.

O estágio de mórula ocorre 3 a 4 dias após a fecundação, quando o embrião é transportado das tubas uterinas para o útero. Depois dessa etapa, ele se transforma em blastocisto.

Continue a leitura e entenda melhor o que é blastocisto!

O que é blastocisto?

Uma massa sólida de blastômeros na superfície da mórula dá origem a partes extraembrionárias, enquanto as células do interior (massa celular interna), desenvolvem-se no embrião propriamente dito.

Ou seja, conforme ocorrem as sucessivas clivagens, há a formação de uma cavidade interna, a blastocele, e assim o embrião passa do estágio de mórula para o estágio de blástula, ou blastocisto.

Blástula deriva do grego blastos = broto = cisto = cavidade. É o termo utilizado para descrever a massa celular oca que se forma. Blastocisto é a fase de desenvolvimento entre o quinto e sexto dia, quando o embrião implanta no endométrio (nidação), até desenvolver-se e tornar-se feto, o que ocorre aproximadamente na 8ª semana de gestação.

É composto por dois tipos celulares já diferenciados, a massa interna da célula e a camada envolvente chamada de trofoblasto, que estabelece uma conexão com o útero funcionando como uma espécie de precursor da placenta.

Blastocisto e reprodução assistida

Assim como na gestação natural a fase de blastocisto também é importante na reprodução assistida. Tradicionalmente o embrião era transferido para o útero entre o segundo e terceiro dia de desenvolvimento, na clivagem ou D3.

No entanto, com os avanços dos meios de cultura que permitiram o cultivo embrionário por mais tempo, a transferência em blastocisto se tornou a principal opção.

Além de haver maior sincronização fisiológica, uma vez que é nessa etapa que ocorre a implantação na gestação natural, com o embrião em blastocisto surgiram importantes técnicas complementares ao tratamento por fertilização in vitro (FIV).

O teste genético pré-implantacional (PGT), uma ferramenta molecular que possibilita a análise das células embrionárias apontando doenças genéticas e anormalidades cromossômicas, está entre elas.

O PGT é, inclusive, a única forma de evitar a transmissão de doenças genéticas para as futuras gerações., ao mesmo tempo que minimizou os índices de falhas na implantação e abortamento, ao identificar anormalidades cromossômicas como a aneuploidia (quando há mais, ou menos, cromossomos do que o normal), associada diretamente ao problema.

Da mesma forma que o PGT, o hatching assistido ou eclosão assistida também contribuiu para reduzir falhas e abortamento.

Na gestação natural, assim como na FIV, para implantar no útero o embrião deve romper a zona pelúcida, uma película que o envolve nos primeiros dias de vida. O processo é conhecido como hatching.

No entanto, alguns embriões têm dificuldades para rompê-la, particularmente os formados por óvulos de mulheres mais velhas. No hatching assistido são criadas aberturas artificiais para facilitar o processo, aumentando, consequentemente, as chances de a implantação ser bem-sucedida.

O embrião na fase de blastocisto também tornou possível o congelamento de todos formados em um ciclo de tratamento, para a transferência apenas no posterior. A técnica, que recebeu o nome em inglês freeze-all, é uma solução importante para mulheres com alterações no ciclo endometrial, afetando o período de maior receptividade conhecido como ‘janela de implantação’, provocando falhas e abortamento.

Com os embriões congelados, é realizado teste ERA na mulher, que analisa as células embrionárias permitindo apontar com bastante precisão o período de maior receptividade para que a transferência ocorra no ciclo seguinte. A técnica freeze-all também contribuiu para redução de falhas e abortamento em alguns casos. A individualização do tratamento é muito importante.

O congelamento de todos os embriões possibilitou, ao mesmo tempo, a transferência de um único embrião contribuindo, assim, para minimizar os percentuais de outro problema: a gestação gemelar.

Ainda que a o nascimento de filhos gêmeos seja desejado por muitos pais, a gravidez múltipla é potencialmente mais perigosa para a mãe e para o feto quando comparada com a única.

Há, por exemplo, maior risco de pré-eclâmpsia (aumento da pressão arterial), de descolamento da placenta, parto prematuro e de bebês nascidos mortos (natimorto).

A possibilidade de cultivo do embrião até a fase de blastocisto, portanto, contribuiu para aumentar os índices de sucesso da FIV, os mais altos da reprodução assistida.

Toque aqui e saiba mais sobre as vantagens da transferência na fase de blastocisto.

0 0 votes
Article Rating
Deixe o seu comentário:
Se inscrever
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Posts Anteriores:
Reprodução assistida: como uma pessoa solteira pode ter filhos?

No Brasil, desde 2013 as técnicas de reprodução assistida são extensivas a pessoas solteiras que […]

Continue lendo
Tentantes: 3 dicas importantes para engravidar

A gravidez é um processo complexo e para que ocorra o sistema reprodutor feminino deve […]

Continue lendo
Correção de varicocele: como é feita?

Definida como um ano de relação sexual desprotegida, com atividade regular e sem concepção, a […]

Continue lendo
Avaliação da reserva ovariana: o que é e como é feita?

Os ovários são as glândulas sexuais da mulher e assim como o útero, tubas uterinas, […]

Continue lendo
Barriga de aluguel: o que é e como é realizada na FIV?

O termo barriga de aluguel é popularmente conhecido e se tornou, inclusive, novela no Brasil. […]

Continue lendo
Tratamento da endometriose: como é feito e possibilidades

O sistema reprodutor feminino é formado pelos ovários, tubas uterinas, útero e vagina, sendo o […]

Continue lendo
Congelamento de embriões: saiba mais sobre a técnica

O embrião pode ser definido como o estágio inicial de desenvolvimento de um ser humano. […]

Continue lendo
Blastocisto: o que é?

Para que a gravidez ocorra, a cada mês os ovários liberam um óvulo, capturado pelas […]

Continue lendo
Endometriose: é possível engravidar com a doença?

A endometriose é uma doença crônica e inflamatória, que na maioria dos casos afeta as […]

Continue lendo
Ver todos os posts